O ano de 2021 foi uma experiência insana! Foi o primeiro ano onde eu não dei cabo dos meus objetivos! 

E porquê?

Bem… Vamos por passos. Eu vejo-me como uma pessoal com performance acima da média.

Não vou estar com mimimis a fingir que sou um falso modesto.

Eu sei que consigo trabalhar rápido, incrivelmente duro, por longos períodos de tempo.

O meu problema nunca foi falta de “ética” profissional.

No lado oposto diria, eu sempre fui sim demasiado racional e muito pouco emocional.

E o que quero dizer com isto?

Toda a minha vida eu vi tudo sistemático.

Vi sempre tudo como números. Mais ainda, sempre fui fiel àquilo que acreditava.

Desta forma tinha 3 processos à minha frente:

  • A ética profissional e pessoal
  • a lógica do meu foco em números e todos os “tangíveis”
  • e a parte emocional que seria o meu foco nas emoções e sentimentos, os intangíveis

Usando esse meu conhecimento, em 2019 sentei-me e planeei o ano de 2020 pela primeira vez usando os 3, em vez de somente “lógica” e números.
em vez de me focar em:

  • faturar 100 mil euros com as minhas empresas
  • comprar um carro novo todo pipi
  • ter um six-pack (barriga chapada)

E não parei aí, fui um passo mais abaixo.

Por cima desses tangíveis, que experiências gostava de tirar deles?
Que emoções quero sentir?

Se conseguir faturar 100 mil euros nas minhas empresas, que experiências vão acontecer?

Se eu comprar um carro todo pipi,  que posso fazer com o carro? Que experiência desejo ter?

Se eu conseguir uma barriga chapada, o que posso sentir e viver de forma diferente?

Depois de refletir e escrever, essas experiências passaram a ser os meus objetivos para o ano de 2020.

Claro que ainda tinha alguns tangíveis e ações/hábitos diários a cumprir para garantir que atingia algo, mas o meu foco estava em grande parte nas experiências.

Faturar aquele dinheiro ou comprar um carro novo eram somente meios para atingir um fim, e não um fim em si próprio.

E isto tudo para mim que sou um “control freak”, permitiram-me relaxar e viver a vida calmamente mas de forma entusiástica.

Permiti-me ajustar o caminho enquanto o fazia sem estar demasiado focado no processo que era somente “um meio para atingir um fio”.

Curiosamente… A maioria dos objetivos “lógicos e tangíveis” mudaram ao longo do ano.

No entanto , experiência TUDO o que eu queria neste ano, o que me permite sentir-me 100% agradecido por isso.

E não quero fazer-te perder tempo a falar de números…

Mas para te dar umas luzes, os objetivos financeiros, que eram somente meios para um fim, foram fáceis de ajustar e ser criativo na procura de soluções alternativas.

E podia continuar a viver a experiência que queria: ter tudo o que queria e me fazia a mim e à minha família feliz sem estar preocupado se tinha dinheiro para isso.

Agora que esqueci o carro e foquei-me na experiência de ter mais tempo prazeroso, acabei de reduzir o tempo passado no carro em 50%, andando 50% mais de passos que o ano anterior (aproveitando para passar tempo comigo, que era o que queria!).

Ignorei a barriga chapada e foquei-me em comer e treinar para me sentir bem diariamente enquanto tinha energia para passar tempo de qualidade com amigos e família.

Se tivesse ficado demasiado preso às metas e objetivos lógicos, este ano poderia ter sido uma redonda falha…

Mas foi exatamente o oposto! Foi um dos meus anos mais bem sucedidos para quase todas as áreas da minha vida, e com uma abordagem tão mais balanceada.

E tu, já planeaste o teu ano de 2021?

Se sim, pensaste também nos objetivos emocionais e intangíveis?

Quando pensares nos teus objetivos, não “exageres” nos resultados materiais e foca-te mais nas experiências.

Este é o meu grande desejo para ti neste ano novo que se avizinha,
João