fbpx
Elisabete, a Super Enfermeira e Super-Mãe

Elisabete, a Super Enfermeira e Super-Mãe

Hoje trago a história da Elisabete, um progresso inacreditável que fico muito feliz por poder partilhar contigo hoje.

——

Em 2017 fui mãe de um menino. Durante a gravidez confesso que me descontrolei um pouco em termos alimentares e em relação ao exercício. No primeiro trimestre tive muitas náuseas matinais o que me tirou bastante energia e deixei de ir ao ginásio completamente.

Depois do nascimento do meu filho foi todo um novo processo.

Ser mãe, ser dona de casa, ser esposa e continuar a trabalhar full time.

Tempo para mim?? Não havia muito ou mesmo quase nenhum.

Em termos estéticos não me sentia bem comigo mesma, isto de ser mãe foi uma transformação 180 graus. O meu corpo mudou completamente: as estrias, as gordurinhas que ficam extras depois de 9 meses nos locais mais complicados, a dinâmica familiar e todo o processo para conseguires ter um tempo livre para fazer exercício (visto que estou fora do meu país sem avos/irmãos/tios ou primos para cuidador do bebe), o cansaço e sem paciência para pensar na alimentação correta.

Acabava simplesmente por comer qualquer coisinha nos 5 minutos que tinha entre mudar as fraldas, dar de mamar ou acalmar o bebe com cólicas. Mas isto todas as mamãs o sabem muito bem.

Quando vi que os quilinhos a mais que não queriam ir embora percebi que precisava de fazer algo para me sentir bem comigo mesma.

Com o encorajamento do meu marido (que sempre me apoiou neste processo) que me falou da Sik Nutrition, entrei em contacto  com o João que prontamente me respondeu e me deu o outro empurrãozinho que estava a precisar.

Claro que hoje conto isto a sorrir, mas existem medos, antes de avançar. O maior medo foi a falta de confiança e acreditar que era capaz de fazer o que me comprometi.

As maiores dificuldades foram conciliar a vida familiar e não ter assistência para cuidar do meu filho sempre que precisasse.

Trabalhar por turnos, principalmente durante a noite e dias de trabalho em que o tempo para beber água ou sentar e comer eram quase inexistentes… Mas a motivação e vontade de me sentir melhor comigo mesma foi sempre maior.

As minhas maiores duvidas foram relacionadas com os hábitos alimentares. Não tanto o que devo comer mas sim as porções e quantidades, e acho que nesse sentido a Sik Nutrition ensinou-me bastante e deu-me as ferramentas necessárias para dominar a nutrição a longo termo.

Antes de me juntar à equipa já conhecia várias historias de pessoas que conseguiram fazer transformações inacreditáveis. E quem diria que eu iria ser a próxima?

Começar este protocolo para mim foi também comprometer-me comigo mesma e com o meu bem-estar. Quando voltei a treinar contra todas as dificuldades, os meus níveis de energia aumentaram e esse tempo que tinha só para mim era precioso.

Senti-me muito melhor no final do treino, mais disponível para a minha família, senti que conseguia gerir todo o stress de uma forma mais calma.

Foi engraçado nas primeiras semanas quando acabava o treino e tomava o meu duche, lembro-me de fechar os olhos e pensar comigo mesma que saudades de treinar e ter esta sensação de dever cumprido. Agora não vejo a hora de ir ate ao ginásio ou fazer qualquer atividade física.

O facto de fazer parte do grupo da Sik Nutrition mostra que não somos os únicos… Os únicos a começar a jornada, os únicos a fazer os exercícios só com barra ou peso corporal (como seres humanos que somos olhamos sempre para os “pros” e esquecemos que eles também começaram pelo básico).

Este grupo deu-me uma sensação de pertença e o facto de ao fim da semana ter que mostrar (ou pelo menos eu quero mostrar) resultados aumenta os níveis de adesão, ja que temos que “prestar contas” a alguém.

Por isso senti que o suporte esteve sempre la. Qualquer dúvida que tinha era esclarecida e palavras de motivação estiveram sempre presentes. Os treinos foram sempre adaptados às minhas disponibilidades, horários e gostos.

Em termos de plano alimentar foi me ensinado a comer segundo as minhas quantidades, e tive sempre o poder de decisão dos alimentos que mais gostava dentro dessas mesmas quantidades.

Assim consegui aprender a gerir as porções que preciso comer, planear com antecedência os meus dias para conseguir ter esse tao desejado momento para treinar.

Apesar de todo o processo que passei nunca tive vergonha de como era.

Apenas sempre quis ser diferente.

Sempre quis ter um corpo mais atlético, mas pensava que não conseguia, que não tinha capacidade para cumprir um plano para atingir esse objetivo.

Bem ainda tenho um longo caminho pela frente, mas o facto de ir às compras e poder experimentar todas aquelas peças de roupa que antigamente nem me atrevia a olhar… Dá uma sensação de dever cumprido!

Acho que nem consigo pôr por palavras como me sinto.

Mas sem dúvida mais realizada, feliz comigo mesma e tenho uma relação muito mais amigável com o meu espelho.

Nem todos podemos ser atletas profissionais ou modelos de fitness mas o importante é estarmos bem connosco. Ainda tenho as estrias nos locais indesejados e a minha anatomia nunca será a mesma como eras antes de engravidar.

Mas ser Mãe foi das melhores coisas da minha vida e essas são as cicatrizes que a vida nos dá, no fundo é também o que nos torna diferentes.

E falando em ser mãe, uma das minhas vantagens foi o fato do meu marido também gostar de exercício físico (alias este gosto pelo exercício veio através dele) e também querer seguir uma alimentação o mais saudável e equilibrada possível pelo que contribuiu para uma melhor adesão ao plano.

Sem dúvida os jantares com os amigos e as datas especiais foram os momentos de quebra. Mas o importante e não deixar que esses pequenos episódios mudem o trajeto que venho a percorrer.

Atualmente penso que já faz parte da rotina, acaba por fazer parte da tua identidade e estilo de vida que eu escolhi.

Hoje, após ter visto tantas transformações, sinto que fui capaz de inspirar outros o que me deixa muito orgulhosa de mim mesma.

Não foi um caminho fácil tenho que dizer, muitas foram as desculpas que poderia ter encontrado para fugir ao plano mas o principal e aquilo que queria para mim e aquilo que quero também passar ao meu filho.

Sou enfermeira, muitas vezes encontro pelo caminho muitas morbilidades que poderiam ser evitadas com mais atividade física e melhores escolhas alimentares.

Penso que a melhoria dos cuidados de saúde cabe também na prevenção, até mais do que o tratamento. Pessoas mais ativas são pessoas mais produtivas, mais saudáveis e com melhor qualidade de vida.

Eu sou a Elisabete Silva e tenho 31 anos. Sou enfermeira nos Cuidados Intensivos numa das ilhas do Canal Da Mancha. Como muitas outras mães sou também esposa, profissional mas sem duvida uma mulher que gosta de se sentir bem, bonita e realizada.

——-

Um testemunho que não me deixa muito a acrescentar.

A Elisabete elaborou muito bem os pontos chave e como não se prender ao fator motivação, mas sim à intenção! Intenção de cumprir um plano, um compromisso que assumimos os dois como equipa.

Sikiana um dia, Sikiana para sempre!

Coach João

#descomplica

 

Quais os 3 hábitos fundamentais dos atletas que obtiveram as melhores transformações?

Quais os 3 hábitos fundamentais dos atletas que obtiveram as melhores transformações?

Já nos viste falar muitas vezes falar dos casos de sucesso que nos orgulhamos, ou pessoas que fizeram grandes jornadas de perda de peso.

Mas sabes qual foi a fundação deles e quais os hábitos mais importantes para eles?

Alguma vez sentiste que o que estás a fazer é impossível manter para sempre?

Imagina, que hoje te contava quais os 3 hábitos fundamentais em que precisas de focar para nunca mais andares naquele yo-yo de motivação?

Para que nunca mais sintas que não te apetece seguir a dieta, ou que não te apetece ir ao ginásio… Por isso vou-te dar exatamente quais são e como nos focamos neles com as pessoas com quem trabalhamos.

Este artigo é para ti.

 

INTRODUÇÃO

Algo que aprendemos no Coaching, e que é cada vez mais popular chama-se Modelagem. No fundo este conceito consiste em observar algo ou alguém que já conseguiu o resultado que pretendes, perceber como o conseguiu e seguir uma rota semelhante.

E esta técnica é usada em imensas áreas, comumente na área do empreendorismo seguindo as pisadas dos grandes homens de Negócios.

Felizmente, em 1984 dois cientistas descobriram que a mesma técnica pode ser utilizada em pessoas e É O SEGREDO para perder e manter o peso perdido a longo prazo.

A Psicóloga Comportamental Rena Wing e o Pediatra James Hill  fundaram o Registo Nacional de Controlo de Peso e convidaram todas as pessoas que tivessem perdido pelo menos 12 kg e que tivessem mantido essa perda pelo menos um ano, antes de se poderem juntar.

Incrivelmente, tiveram mais de 1000 inscrições, que lhes permitiu analisar todos os comportamentos e dados chave no que realmente estava a acontecer com estas pessoas.

O grande foco destes dois cientistas era perceber qual o tipo de dieta que seguiam: se incluía carne ou não, se era um abordagem low carb, se era uma abordagem rica em gorduras como as dieta citogénicas ou outra tipo de abordagem. Tal como a maioria das pessoas pensa, se encontrarem uma dieta que seja comum a todos estes casos de sucesso, podem promover essas mesmas dietas e travar a epidemia que é a obesidade.

Os primeiros resultados apresentados em público foram em 2003 onde a conclusão chocante foi:

NÃO HÁ UMA DIETA “PERFEITA”!

Nesta altura deves estar que estou a brincar contigo depois deste mimimi todo chego e digo isto?

As descobertas vão muito além de hábitos nutricionais, porque as dietas de todos eram bastante diferentes. Levou até o autor Matt Fitzgeral (criador do livre “Diet Cults”) a dizer:

“A variabilidade individual nos padrões nutricionais no grupo de ex-obesos é tão variada e dependente da pessoa dentro deste grupo de pessoas, como na sociedade em geral. Podemos aprender com este grupo de pessoas que há mais maneiras de perder peso do imitar o vizinho.”

No entanto os cientistas não descobriram a melhor dieta, mas descobriram os 3 hábitos fundamentais que quem não conseguiu perder peso, não cumpre. Sabes quais são?

 

HÁBITO 1 – PESAR REGULARMENTE

Se abrires as redes sociais, no mundo do aceita-te como és, vejo muitas vezes ser promovido não precisares pesar e que és mais que um número!

Não poderia estar mais de acordo, és bem mais que um número, mas e se esse número pudesse ajudar no teu processo de perda de peso e gordura?

Os membros do estudo referido, mais de 44% deles reportaram pesarem-se pelo menos 1 vez por dia e 31% pelo menos uma vez por semana.

Uma das conclusões dos cientistas é que monitorizar o teu peso pode ajudar-te a manter os teus resultados, se vires que estás a perder o controlo do teu estilo de vida saudável, e começas a ganhar peso.

É bonito usar o “olhos não vêm coração não sente…”, mas depois quem sente é a tua roupa quando fica justa.

E garanto que é quase uma obrigatoriedade de quem trabalhamos aprender a gerir a sua relação com a balança para serem capaz de usar este dado a seu favor a longo prazo.

 

HÁBITO 2 – REDUÇÃO NA VARIABILIDADE NA DIETA

Acima falei sobre como tão diferentes eram as dietas das pessoas registadas. No entanto existia algo em comum nas escolhas alimentares de todos: a reduzida escolha na variedade de alimentos que consumiam.

Numa era onde todas as nossas refeições parecem ser obrigadas a ser instaworhty as pessoas entram em pânico quando digo isto! Mas posso garantir que as pessoas com quem trabalhamos usam e muito esta regra, menos variabilidade ajuda na adesão ao plano por imensas razões:

  1. Maior facilidade na confeção dos alimentos
  2. Mais facilidade a fazer a lista de compras
  3. Mais facilidade no controlo da saciedade
  4. Menor número de decisões e stress.

Antes que penses “eu não consigo comer o mesmo todos os dias”, se pensares numa nutrição variada e que respeite os teus gostos não é difícil manter um padrão regular de alimentos e refeições (e é que aqui que ajudamos na maioria das vezes com os nossos ebooks de receitas).

 

HÁBITO 3 – EXERCÍCIO FÍSICO

Um dos dados mais claros da análise destes cientistas foi que 90% das pessoas não só controlavam a sua nutrição, como realizavam exercício físico regular.

Em média os inscritos relataram em média 1 hora por dia de atividade física de intensidade moderada. Dos quais 76% reportou que era uma caminhada acelerada (desmistificando que tem de ser treinos hardcore no ginásio horas a fio).

E mais uma vez garanto, que os melhores resultados que temos na nossa Equipa foi uma compatibilização de treino com nutrição que trouxe bons frutos. E para surpresa de muitos 90% dos treinos que são feitos por nós:

  • Podem ser feitos em qualquer lado, ginásio simples ou em casa
  • São treinos moderadamente curtos de em média 45 min e raramente mais que 1h
  • Focamo-nos não só no treino de força (2-3x por semana) mas em aumentar a atividade diária através do NEAT (monitorizar o número de passos feitos por dia)

CONCLUSÃO

Em jeito de conclusão acrescento mais uma nota do Matt Fitzgerald:

“Estes comportamentos mostram-se como verdadeiros indicadores de uma grande motivação para perder peso. Pesar diariamente pode parecer um pouco obsessivo, mas pensem comigo. Quem tem maior probabilidade de perder peso, alguém ligeiramente obsessivo em perder peso e gordura ou alguém que não? Comer o mesmo tipo de comidas sete dias por semana, doze meses por ano é preciso muita disciplina. Daquele tipo de disciplina que podes esperar de alguém que está super determinado em não falhar. Quem quer realente perder peso: FAZ.”

Assim em jeito de resumo como podes usar estes 3 hábitos para garantir que perdes já o peso que queres e manténs os teus resultados:

  1. Torna o número na balança algo como um dado estatístico e vai ajudar-te sempre na análise de dados;
  2. Tenta minimizar o número de alimentos e refeições e manter as coisas o mais simples possível. Sobre a variedade na dieta falo disso neste vídeo
  3. Tenta incluir algum tipo de atividade física moderada como caminhada (ou aumentar passos) em conjunto com treino de força 2 a 3x por semana.

 

Deixo-te então hoje um desafio.

Se fossemos criar um formato que permitisse ajudar-te a conseguir estes 3 hábitos, qual achas que era a forma mais simples?

Deixa em baixo nos comentários para que possamos pensar nisso 😊 e #descomplica.

Coach João

 

BIBLIOGRAFIA

Registo Nacional de Perda de Peso

A Alexandra que deu a volta na sua vida, antes de dar a volta ao mundo

A Alexandra que deu a volta na sua vida, antes de dar a volta ao mundo

Hoje trago a História da Alexandra, que para alguns será uma cara conhecida! É a namorada do Miguel Maia (link) que esteve a pouco tempo a falar sobre a sua jornada.

Mas deixo ser a Alexandra a falar um pouco mais de si.


Na altura em que decidi me juntar a team não tinha quaisquer objetivos, tinha me acomodado e estava numa de deixar andar, ate que o meu namorado (O Miguel Maia), que já me tinha falado na Sik Nutrition, decidiu avançar e perguntou-me se também estava interessada, como não tinha nada a perder aceitei, sem grandes expectativas, quis ver no que ia dar.

Claro que pouco “crente” no início estava um pouco reticente, dado que já tinha feito um acompanhamento online com outra team e não tive uma experiência muito positiva. Mas desde o início com a Sik Nutrition percebi que tinha apoio e que as coisas eram feitas com clareza e profissionalismo. O único medo que tive e que as vezes ainda tenho e de não conseguir ir avançando como o esperado e de alguma maneira criar uma certa desilusão… mas medos todos temos e sei que sempre que tenho dúvidas no meu desenvolvimento e progresso sei que posso sempre contar com os conselhos do coach.

Antes da minha Jornada já seguia várias pessoas no Instagram que estavam ligadas ao fitness e alimentação dita “saudável”, e que por vezes guiava me pelos seus treinos e pelas suas receitas, mas mais tarde apercebi-me que não me ia levar a lado nenhum seguir o que outra pessoa fazia ou comia, porque eu não sou igual a ninguém, nem nunca vou ter o corpo igual a ninguém nem a minha vida e igual a de outra pessoa, a única coisa que tinha e tenho a fazer e tentar melhorar-me a mim, na minha realidade.

Senti logo de início que pertencendo à Sik Nutrition ia ter sempre um grande apoio, que qualquer dúvida iria ser esclarecida e que nunca iria ficar para trás. Começar o protocolo não foi difícil, tendo em conta que já até já tinha monitorizado a minha nutrição no passado.

Acho que sem margem para dúvidas uma das peças importantes foi não existir uma exagerada pressão nem complicações o que facilitou o processo de habituação, e o resto? Veio naturalmente.

Mesmo precisando do Coach para me orientar senti que todo o processo era feito à minha medida e de acordo com os meus gostos pessoais, não senti que tinha obrigações ou que sair da minha rotina diária. O suporte da team e incrível, sei que as minhas dúvidas são sempre ouvidas e respondidas, que não e apenas uma relação de empresa e cliente, mas que tenho sempre alguém disponível para me ouvir e dar conselhos.

Além disso, o que mais me deixa feliz é a mudança na forma como me via a comida, sempre lutei contra apetites e demonizava certas comidas, com a team aprendi a comer sem medos, todos os alimentos que gosto, sem pôr nada de parte, e isso foi a melhor ajuda que podia ter, não tendo restrições nunca senti que estava a fazer algum tipo de dieta, adquiri conhecimento em dosear alimentos de acordo com as minhas necessidades sem excluir o que mais gosto.

Apesar de vir de um passado de excesso de peso não tenho vergonha de como era antes, apenas tenho pena de não pensar como penso hoje, de ser tao complicada em relação a comida. Hoje sinto me bem comigo mesma, tenho mais confiança em mim e nas minhas escolhas.

Claro que continuo atenta, e a trabalhar com a Team, que me ajudaram em momentos que tive medo e em que sentia que podia de alguma maneira estragar o plano, como por exemplo as férias, onde não tinha maneira de controlar as quantidades macros, fui fazendo por intuição, uns dias abusava mais que outros, mas aprendi a não sentir remorsos por ter comido um gelado ou uma pizza, aprendi a seguir em frente com o plano, pois não ia estragar 2 ou 3 meses com uma refeição.

Após mais de 16 semanas a trabalhar em conjunto hoje vejo-me como uma pessoa menos stressada em relação as refeições fora do plano, descompliquei completamente a alimentação, o que antes para mim era impensável agora tornou-se normal. Se inspiro alguém não sei, fico contente se o fizer, mas o mais importante para mim e inspirar-me a mim mesma, a ser cada dia melhor e ter mais orgulho em mim.

Chamo-me Alexandra e tenho 30 anos, sou cozinheira o que por vezes torna as coisas um pouco difíceis, estando rodeada de comida e ser quase obrigada a provar tudo o que faço. Adoro viajar e conhecer novas culturas. Também faz parte dos meus hobbies ler, muito, adorava ter uma biblioteca gigante.


Alexandra, não consigo acrescentar muito! Tens sido uma pessoa tão descomplicada e serena, tão cumpridora e consistente que os resultados falam por si! A mudança veio de dentro, a pressão é apenas q.b. para te colocar a mover, e o resto constrói-se na base da perseverança.

Sem dúvida, alguém que #descomplica !

Coach João

Quando um Vegan decide embarcar connosco é a 100% – Nuno Filipe

Quando um Vegan decide embarcar connosco é a 100% – Nuno Filipe

Hoje, celebrando o dia Mundial do Vegetarianismo, decidimos convidar o nosso Atleta Nuno Filipe, que é Vegan para contar um pouco mais da sua história e nos falar um pouco mais desta abordagem “plant-based”.


O fator mais curioso e interessante que me levou até à Sik Nutrition foram as as 4ªs feiras científicas 😊 Quando conheci a Tânia Lima, nos poucos momentos que tínhamos para trocar dois dedos de conversa após as aulas, ela ia-me apresentando e falando da equipa da SIK, e um dia após pesquisar um pouco, dei com um dos posts das 4ªs feiras científicas. A actualidade e simplicidade do artigo fez-me pensar que se “um dia me meter numa coisa destas, é aqui”.

E no dia que avancei não tive qualquer receio. Apenas o de vos deixar ficar mal 😊. Nunca considerei que o veganismo me dificultasse a vida – apenas nos jantares de natal da empresa onde me serviam salada de alface, tomate e cebola. Típico 😊

Desde que tenho memória, sempre vivi com atividade física e em variados momentos da minha vida pratiquei desporto de forma mais séria, sendo que a minha alimentação vegana nunca foi um problema.

Tenho um longo background de exercício físico e quando era – bem – mais novo e praticava e competia no BJJ recordo-me de ver imensa gente no ginásio que os meus mestres me “obrigavam” a frequentar, cuja alimentação consistia em laranjas, ovos, peixe cozido e batata doce. a todas as refeições. Com uns batidos pelo meio e 12 comprimidos de seguida. Era a única realidade que tinha no início dos anos 2000, e talvez um pouco responsável pelo meu “dislike” por ginásios desde então.

O meu ídolo nesta jornada é sem dúvida a Tânia Lima! Conheci a Tânia quando ela me contactou para começar as aulas de Ashtanga Yoga. Daí a falarmos com regularidade das transversalidades das nossas práticas, de como um podia beneficiar a outra e vice-versa, de ela me explicar o que são macros (heheh), de me mostrar o facebook da SIK, de irmos juntos em família a concertos de beneficência, foi um ápice. São poucas as pessoas hoje em dia que nos conseguem demonstrar e explicar algo com completa humildade, que nos ensinam sem esperar algo em troca, que não nos vendem a sua versão das coisas ou vangloriam-se dos seus feitos, e a Tânia foi – e ainda é – para mim uma dessas pessoas.

Atualmente diga-se que ainda estou na fase de absorção. É todo um mundo novo ao qual, devagarinho, me começo a adaptar. Mantenho-me sempre curioso e entusiasmado, que acho que são dois aspetos importantes para este e qualquer protocolo funcionarem!

Não participo muito no Grupo (do facebook) da Team Sik Nutrition, mas vou lendo e acompanhando todos os meus companheiros e companheiras de macros e treino, silenciosamente orgulhoso e a torcer por cada um deles.

Quanto aos Coaches e equipa técnica, são péssimos, é uma desgraça. 😛 ahahah.

Ainda só contactei com o João, já sei quem são os restantes, pelo que aguardo pela oportunidade de os conhecer pessoalmente um dia! 10/10 se isto fosse um review oficial!!

Acho que algo muito importante é que todas as minhas opções alimentares foram respeitadas desde o 1º contacto. Nunca senti sequer que seria um problema ou que era “mais difícil” ou “mais complicado”, não estaria nele de fosse de outra forma!

Ao longo das últimas semanas tem sido um acumular de peças que me têm permitido progredir (sendo que aqui a medição do termo “progresso” é muito subjetiva aos olhos do espetador).

Numa semana é entender um movimento nume exercício do treino, noutra é aprender a usar uma App (hello Myfitnesspal), noutra será certamente algo novo, para acrescentar a este progresso.

Em todos os aspetos da minha vida, pequenos incrementos mantidos durante um período longo de tempo têm sido o pilar de todas as mudanças conscientes e positivas que alguma vez fiz!

E assim orgulho-me de seguir um protocolo extremamente equilibrado e bem desenhado, e no topo da pirâmide, acima de qualquer resultado estético ou de performance, o meu protocolo tem a palavra “saúde”. Quanto à saciedade, bem, sendo Vegan acabo a comer uma panela de legumes e leguminosas para encaixar nas macros, não deixam grande espaço para ter fome 😉

Uma das minhas maiores lições de vida é aceitar sempre com consciência de que estamos apenas a viver uma experiência neste corpo, que ele é um aluguer de longa duração que não nos pertence na realidade… Por isso tomemos bem conta dele, para que ele possa tomar bem conta de nós enquanto partilharmos esta coisa de estarmos vivos. Sem comparações e sem julgamentos, certamente nunca ouvimos ninguém a dizer que “o meu carro alugado é melhor que o teu”, por isso damos o nosso melhor para nós, que é tão diferente de pessoa para pessoa! É assim que me vejo hoje! Pergunta-me amanhã novamente para confirmar heheh

Eu chamo-me Nuno, tenho 35 anos e sou pai de uma linda menina de 4 anos e casado com a mulher mais linda da minha vida. Moramos pacatamente em Carcavelos, onde desenvolvo os meus dois projectos – Ashtanga Yoga Carcavelos e o Centro de Osteopatia & Yoga. Quando consigo, gosto de estar dentro de água em cima de pranchas, ou na garagem a montar e desmontar coisas com rodas, ou em casa a ler e a estudar sobre tempos e culturas idas. Nada disto seria possível sem o meu meu aliado, café sem açucar!

Obrigado pela oportunidade de celebrar convosco este dia 😊


O Nuno tem tido uma jornada e tanto! Ajustar as suas calorias e macronutrientes para o seu enorme dispêndio calórico diário, tem sido umd esafio muito interessante mas felizmente está a correr muito bem e a recomposição corporal tem sido fantástica.

Coach João

#Descomplica

Quais foram os meus resultados após cultivar o amor próprio durante um mês?

Quais foram os meus resultados após cultivar o amor próprio durante um mês?

Hoje festejamos o dia Internacional da Paz, e decidi desafiar-te a fazer as pazes contigo (tal como tentar fazer comigo nos últimos anos).

Abrindo as redes sociais há um mote bastante comum nos dias de hoje:

AMOR-PRÓPRIO

Soa-me fantástico! Eu, que tanto defendo que nos devemos desenvolver ao máximo em todas as áreas que nos cativam, sem nunca deixar de apreciar cada momento que passa.

Mas descubro que muito do que se lê não é bem o que eu pensava ser o Amor-próprio.

Sinto que em muitas vezes são misturados três conceitos distintos:

  • Aceitação
  • Compaixão
  • Autoestima e Confiança

E poderia ir mais além (e vou claro ao longo do artigo).

Eu testei em mim mesmo todos eles durante um mês. O que será que aprendi?

 

O Amor Próprio

Primeiro de tudo. O que significa isto? Segundo Débora Khoshaba :

“Amor-próprio é um estado de apreciação do teu ser, é um sentimento que cresce faz ações que suportam o nosso crescimento físico, psicológico e espiritual”

No fundo, é valorizares-te como ser humano, alguém a quem deva ser tido todo o respeito e amor. No fundo aquilo que todos, de alguma forma, queremos.

No entanto como se percebe, é um fenómeno cumulativo de pequenas ações, que levam a um estado.

Amor-próprio é um estado, e não um sentimento ou sensação. É um somar de várias coisas.

Quando procuras:

  • Melhorias na tua saúde e aparência
  • Estabilidade emocional
  • Crescimento como ser humano

Todas estas componentes somam-se e levam a atingir um estado de Amor-próprio verdadeiro.

E aqui começa a surgir a minha “dor” ao abrir as redes sociais… quando vejo alguém expor “come o que queres e ama-te”, isto baralha-me porque penso: estará a contribuir de alguma forma para a tua estabilidade emocional? Vais obter melhorias a nível de saúde e aparência? Desculpem-me, mas acho que não! E isso não pode ser o amor-próprio.

Amor-próprio não é arrogância, por isso mesmo que não queiras o amor-próprio andará sempre de mãos dadas com a tua imagem, e se não gostas da tua imagem, dificilmente gostarás de ti.

E se vives única e exclusivamente para a tua imagem?

O desequilíbrio é a base da tua vida, e transformaste o caminho para o Amor-próprio em Narcisismo. E não vais encontrar felicidade dentro de quatro paredes, agarrado a um telefone “scrollando” as redes Sociais.

Como vês, o meu mês deu-me muito em que pensar…

Principalmente que nos dois espetros, aprendi uma frase para a vida:

“A Felicidade é a presença do bem-estar na tua vida, e não somente a ausência de um estado miserável.”

Por isso fugir não trás felicidade, encarar a vida de frente e construir um ser melhor sim.

E falando em encarar, vamos à minha próxima descoberta?

 

Aceitação versus Negação

Aceitação é muito diferente de resignação, ou negação (negar a fazer mais ou aceitar que o que tens é suficiente). Aceitares como és, é saber onde estás hoje! É saber o teu ponto de partida, que não tem de ser o teu destino final.

E aqui dói-me a alma ao ver nas redes sociais o “vender a ideia” que aceitares é ser feliz com as tuas dobrinhas, ou com celulite… ou com outro “dito problema qualquer”! Fantástico!

A própria definição de aceitação compreende tudo, aceitar o bom e o mau da nossa vida. Por isso até aqui estamos bem e eu não tenho anda contra isso, e acho uma onda de solidariedade fantástica!

Mas será que é isso que tu queres? Será que aceitares onde estás, é impedimento de quereres um pouco mais para ti, de atingires um novo estado de aparência e de espírito?

Perdoem-me a minha “raiva”, mas eu tive muitas dobrinhas! 120 Quilos de dobrinhas pelo corpo todo… E aceitar por parecer moda, e não viver feliz é só uma fachada…

E perdoem-me novamente, mas eu aceitei: TODOS OS MEUS PROBLEMAS, para poder seguir em frente.

Consegues ver alguém que aceita a realidade, versus alguém que a nega?

  • Eu preciso fazer dieta para perder peso e tenho medo de não conseguir
  • Eu preciso fazer dieta para perder peso, MAS tenho medo de não conseguir

A diferença é o MAS, que não é mais do que uma objeção a mudar. Ao evitar as objeções aceitando até o mais difícil, vais estar a dar o primeiro passo para um ser mais evoluído, um ser que pode construir o seu Amor-próprio.

No dia que aceitares que as tuas ações e pensamentos podem ser errados por vezes, mas que isso não te define, compreenderás que há muito a fazer por ti. Não te julgues, porque ninguém o fará também. Desta forma abres porta a maior amiga da Aceitação: A Autoestima.

Assim que te aceitas como és, e decides fazer por melhorar os pontos menos positivos, estás a cultivar uma nova Autoestima.

No fundo tentar ter um pouco mais de compaixão por ti.

 

Compaixão e Narcisismo

Primeiro de tudo vamos a definições de conceitos. O que significa ter compaixão por ti?

“A compaixão pode ser definida como ser generoso e compreensivo contigo próprio, mesmo quando sentes que falhaste em algo, ou com alguém.”

No fundo começares a agir contigo, como agirias como um amigo! Quando alguém está mal e dás um ombro amigo, serves de suporte, conversas sobre o sofrimento, oferecendo bondade e compreensão.

O que nem sempre acontece quando te julgas, mas que tens as habilidades para o fazer.

No entanto além da compaixão deves pensar no Narcisismo que falei anteriormente:

Segundo a definição:

“O narcisismo leva a uma comparação com outros para te sentires melhor, de parecer que atingiste o objetivo em vez de o atingir, de requerer uma validação constante de outros, vendo tudo a preto e branco.”

 E isto? Vejo muito… A procura da validação escondida na procura da compaixão dos restantes.

E será esta a verdadeira Autoestima?

 

Autoestima versus (vestir a) Personagem

Novamente surge a Autoestima, é inevitável. Um dos fatores chave na tua confiança, na tua demonstração de segurança até nas mais pequenas ações.

Definição de Autoestima:

“Autoestima refere-se ao valor geral associado a uma pessoa, dado por ela própria. Pode ser considerado como uma pessoa mede os seus valores, aprovação, apreciação ou quanto gosta de si.”

Em muito acaba por tocar ou aproximar-se do que falamos do Amor-próprio e como diz o expert no assunto Morris Rosenberg: a Autoestima é a tua atitude em relação a ti próprio!

No entanto sinto uma enorme distorção entre Estima, e Autoestima.

Estima, é a forma como os outros nos veem, o respeito, o teu status, o reconhecimento e prestígio. A Autoestima é mais uma questão de atitude, de ti para ti.

Aliás se há algo que aprendi com o tempo, é que a autoestima pode influenciar a Estima que os outros sentem por ti.

Quem nunca conheceu aquela pessoa mal f**ida que parece que está sempre de mal com a vida?

As pessoas com baixa autoestima acabam por não viver no seu máximo esplendor levando muitas vezes a ser mais difícil ser aceite e apoiado por outros. A Autoestima ensinou-me que:

  • Devo apreciar-me assim como apreciar os outros
  • Devo encontrar o meu propósito de vida, desenvolvendo-me como pessoa e procurar algo que me leve a atingir um estado de grandeza face aos meus valores
  • Aumentar a minha criatividade, para respeitar mais a forma como me vejo a mim mesmo
  • Apostar em contribuir positivamente na vida dos outros, ajudando-os nas áreas que posso contribuir

E isto é bem diferente do que acabo por ver… Vemos toda a promessa de Autoestima, do “Ama-te como és”, mas essas mesmas pessoas vivem isoladas, sem convívio, sem ajudar outros, sem receber o poder do “Obrigado por estares aqui”, do riso que se dá quando se acaba uma tarefa em conjunto, aquele “Ufa já acabou!”.

O Vestir a personagem, o fingimento da autoestima gigante abaladora, que de tão abaladora só te abala a ti, porque nem tu acreditas em tanta falsa autoestima e cais no narcisismo…

Numa era de aprovação constante dos outros principalmente devido a redes sociais, a constante procura de aprovação como o mais original, mais confiante, mais bem-sucedido, a melhor transformação… Esqueces-te de ti! De te amar de verdade, de cultivar a estima por ti de uma forma que te leve a contagiar os outros não só pela forma como escreves, ou pelas fotos que tiras, mas pelo teu modo de estar!

Quando a autoestima é real isso nota-se em tudo o que fazes, a tua forma de estar serena, de tranquilidade e de felicidade transparecem nas entrelinhas, e transparecem mesmo quando não falas. Ninguém te vai pagar para representar neste filme que é a tua vida, por isso larga a personagem vestindo o teu papel sendo tu na tua essência. Mesmo que isto represente por vezes afastar de pessoas que não vão gostar do teu verdadeiro “eu”… Se não respeitas os teus valores viverás uma vida de negação.

 

Resumo

Foi um mês de leituras, e de testes que me levou a repensar muita coisa. Quanto mais lia, e mais aplicava mais estranho sentia este movimento que muitas das vezes me soa a “fachada” das redes sociais para mascarar a incapacidade de fazer mais por ti.

Nunca me vais ver como apologista de aceitares um ser miserável, se tiveres capacidades de ser melhor e tiveres recursos para tal! Ajudei centenas de pessoas a consegui-lo, e vou continuar a minha incessante luta de te fazer acreditar que também tu podes conseguir, de dentro para fora atingir um novo ser, de que te orgulhes, que aceites e que descubras por mim como amar-te verdadeiramente. Para que descubras a tua paz interior.

O que aprendi, mais uma vez, é que o Amor Próprio vai muito além daquilo que se escreve atrás dum teclado de um telemóvel ou computador, postando na Internet.

São precisas ações reais, e sinceras, que espalhem dentro de nós uma dose de honestidade e graciosidade que nos permita viver em Plenitude.

Aprendi que assim:

  • Tenho de aceitar sim a minha realidade, para saber o que menos de bom acontece na minha vida de forma a melhorar. Negar a realidade, ou evitar a mesma, leva a uma vida de resignação, para sempre infeliz.
  • Devo ter a mesma compaixão por mim como tenho por outros em momentos de maior dificuldade, sendo compreensivo e o meu próprio ombro amigo se preciso
  • Primeiro de tudo devo estimar, alimentando a minha autoestima o que levará a contribuir positivamente na vida de outros, o que fará não só mais feliz comigo, como feliz pela forma como me vêm

E acredito, piamente, que ao conseguir equilibrar estes três pontos chave estou mais próximo do que é realmente esse Amor-próprio que tanto falam.

Gostava de te desafias a contar-me sobre isto:

Tens cumprido com algum dos pontos acima? Concordas com o meu ponto de vista?

#Descomplica

Coach João

 

Leituras Recomendadas

Self-Compassion: The Proven Power of Being Kind to Yourself by Kristin Neff

Self-Esteem: A Proven Program of Cognitive Techniques for Assessing, Improving, and Maintaining Your Self-Esteem by Matthew McKay, PhD

A Susana recuperou a sua boa forma sem ter de largar o seu melhor amigo: Chocolate!

A Susana recuperou a sua boa forma sem ter de largar o seu melhor amigo: Chocolate!

E hoje trazemos o excelente feedback e percurso da Susana Ribeiro! Nada melhor que as palavras espontâneas dela sobre todo o percurso connosco, que só agora começou.


Olá! Cá estou eu 13 semanas depois do dia que me juntei a Team @siknutrition. Há quase 1 ano decidi deixar de fumar e apesar do processo ter sido relativamente mais fácil do que todas as outras tentativas, a verdade é que nos primeiros 7 meses e derivado a alguma ansiedade, acabei por comer mais do que comia!

Inevitavelmente engordei… Cerca de 4kg e não me sentia bem com essa imagem. Foi então que decidi mudar – por mim, para mim 😊

Já conhecia o @jay_sik (fundador da @siknutrition) , já acompanhava os artigos da Team e acreditava plenamente no método utilizado, por ele mesmo ser o maior exemplo de mudança corporal e perda de peso que conheço!

Não vos vou dizer como é o processo porque aconselho a seguirem os artigos no site ou Facebook da Sik Nutrition, mas para mim foi uma mudança não só corporal, mas uma mudança de mindset!

Adquiri bastantes conhecimentos de nutrição, ganhei gosto por cozinhar, não passei fome, como na maior parte dos processos comuns de perda de peso.

Acho que é importantíssimo o que aprendi: que é possível adaptar ao plano diário de tudo um pouco , até mesmo chocolate!

Em relação ao Treino, na team encontrei alguém ( @coach.mario ) profissionalmente apto para acompanhar o meu plano e as minhas lesões (hérnia na cervical e desgaste dos discos lombares), alguém que me acompanhou, que fez todos os ajuste de treino e alterações necessárias e que a cima de tudo me ajudou a que o plano me motivasse!

Hoje não passo sem os meus treinos e a cima de tudo aprendi bastante a proteger-me das lesões e a conhecer as minhas limitações. Obrigada Mário🤛!

Hoje com menos 5kg , com menos um total de 29 centímetros perdidos aqui e ali e ganhos musculares onde nunca tive 😀!!!

 

As “invejosas” vão dizer que é Photoshop e os desmotivados vão dizer que uma foto está mais perto que outra, que encolhi a barriga, blablabla bullshit 😂😂!

Ainda estou longe do meu objetivo mas mais perto que ontem!

Não estou a competir com ninguém, não tenho pressa e acredito que tudo o que aprendi neste processo e com o constante apoio da minha Team conseguirei chegar lá!

 

Quero agradecer ao homem da minha vida @rufinojnleite que me acompanhou, ajudou e motivou todos os dias , contigo ao meu lado é tudo mais fácil ❤!! Grata por tudo! 🙏
#teamsiknutrition #descomplica


Fica fácil trabalhar com gente fantástica nesta equipa! O nosso obrigado e vamos continuar na luta.

Deixo umas fotos honestas de comparação com o antes e depois da Susana.

Coach Mário

Translate »