Como posso controlar o meu apetite?

Como posso controlar o meu apetite?

Costumas ter muito apetite? Gostavas de conhecer formas de controlar esta vontade? Este post nasceu para ser lido por ti. ☺

Existem cinco coisas que te vão ajudar a controlar a tua gula. Eu sei que a gula é aquela que costuma ajudar a boicotar a tua dieta e hoje vamos descobrir como podes deixá-la bem longe do teu processo.

O QUE É A GULA?

Então o que é que é a gula? Eu poderia entrar aqui em conceitos muito complexos mas eu gosto muito de descomplicar todo este processo relacionado com a composição corporal. Então a gula é composta basicamente por dois fatores: psicológicos e fisiológicos. 

FATORES FISIOLÓGICOS

Eu vou começar então pelos segundos, pelos fisiológicos. Quando fazes dieta, ou seja, quando estás a restringir as quantidades e as calorias que precisas no teu dia a dia para poderes perder peso e para poderes perder gordura, é normal que o teu corpo se sinta ameçado e, ao se sentir ameaçado, vai-te dar sinais de fome para te lembrar que tens de comer, porque o teu corpo acha que o estás a matar à fome, literalmente.

Por isso, é normal isto acontecer e é causado principalmente por um conjunto de hormonas que existem no teu corpo, entre as quais, duas delas: a grelina e a leptina.

FATORES PSICOLÓGICOS

Temos também então os fatores mais do campo psicológico.

Psicologicamente isto é visto como mau hábito procurar na comida algo que te compense, ou seja, daí é que vem a gula do foro psicológico.

E isto chama-se aprendizagem baseada na recompensa. É assim que são criados os hábitos, incluindo os maus hábitos.

Se o cérebro perceber que existe uma recompensa ao comer principalmente aqueles alimentos altamente palatáveis, muito saborosos (pizzas, batatas fritas, gelados, bolachas), em momentos mais baixos emocionalmente, ele vai-se lembrar que existe uma recompensa e vai criar um hábito, então isto acontece de uma forma não pensada, nem planeada.

5 PASSOS PARA EVITAR A GULA E FOME

Então e quais são os cinco passos que tu podes implementar na tua vida hoje mesmo para isto não acontecer?

O primeiro passo é manipular o teu ambiente envolvente. Olhos não veem, coração não sente. É exatamente a mesma coisa quando se trata da tua nutrição.

Se tens gula, se há certos alimentos para ti que vão dar mais vontade de os comer por estares a restringir-te para perder peso e gordura, trabalha o teu ambiente.

Sê o arquiteto do teu ambiente e cria condições para que seja muito mais fácil para ti ter uma boa adesão. Dá prioridade a alimentos que condigam com aquilo que é a tua abordagem nutricional e tira da tua vista aqueles que não te ajudam a atingir os teus objetivos. 

O segundo passo é controlares o teu apetite. E como é que tu podes controlar o teu apetite?

Imagina que tu até já sabes o que são calorias ou o que são porções ou o que é que precisas de comer no teu dia a dia. Nem todos os alimentos são iguais. Temos um conceito chamado densidade energética.

Não é igual 300 calorias de bróculos e 300 calorias por exemplo de massa. Por isso aposta naqueles que têm uma maior volumetria, digamos assim, que têm mais volume para a mesma quantidade de calorias, que te mantenham com mais saciedade durante mais tempo, para que não tenhas então fome fisiológica e que não tenhas de procurar então aqueles docinhos ou aqueles alimentos que não condizem com aquilo que tu queres no teu dia a dia.

O terceiro são as tuas escolhas alimentares. Imagina que tu dominas a tua nutrição. Sabes as quantidades, sabes os alimentos, sabes tudo isto, tens a teoria.

Já recebi imensos feedbacks do género: “João, eu sei contar calorias, eu uso o MyFitnessPal”.

Há aqui uma ideia errada como se isto fosse a única maneira de fazer as coisas. Não é. Há várias.

Mas imagina que tu até sabes fazê-lo desta maneira e que sabes incluir aquela tua indulgência, aquele teu docinho de todos os dias. Até aí estamos de acordo, desde que cumpras o pêndulo da flexibilidade.

O pior é quando este alimento que tu incluis como indulgência é um alimento chamado gatilho. É um alimento que quando o comes não sabes parar na porção que tu querias e acabas sempre por comer demais.

E aqui, se isto é um padrão de uma coisa que acontece muitas vezes, o melhor é durante algum tempo não comeres estes alimentos para ser mais fácil para ti cumprires o processo. 

O quarto passo é dominares o teu sono e o descanso. Temos imensa evidência científica que suporta que pessoas que dormem e descansam mal têm mais tendência a fazer más escolhas.

E normalmente na nutrição o que é que significam más escolhas? Não preciso explicar, consegues chegar lá sem eu explicar. Por isso prioritiza, dá prioridade ao teu sono e tenta dormir pelo menos sete a sete horas e meia por noite, sempre nos mesmos horários, deitando todos os dias à mesma hora e, de preferência, acordando todos os dias da tua semana à mesma hora.

O quinto é reduzir o stress. Novamente, tal como o sono, o stress está muito associado pelos fatores mais psicológicos de procurar recompensas e procurar colmatar algum vazio dentro de ti com a comida.

Por isso, a melhor forma de reduzir o stress é aprender algumas estratégias simples e tenta encontrar alguns hobbies, algumas coisas que também te dêem uma boa recompensa, uma recompensa positiva que te faça sentir bem, que não tenhas de procurar essa sensação na comida.

CONCLUSÃO

Destes cinco passos eu tenho imensa curiosidade de saber qual deles é que tu vais começar a implementar hoje mesmo no teu processo de transformação corporal. E vou-te desafiar a comentar aqui por baixo qual deles é que tu achaste mais interessante para aplicar na tua vida.

O meu nome é João Gonçalves e não te esqueças: descomplica.